O projeto AmLight Express and Protect acrescenta três ondas ópticas de 200Gbps para pesquisa e educação entre os EUA e o Brasil

- 12/09/2019

Miami, Flórida, 30 de agosto de 2019 - Universidade Internacional da Flórida (FIU), Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), Rede Acadêmica de São Paulo (ANSP), Associação de Universidades de Pesquisa em Astronomia (AURA) e Angola Cables temos o prazer de anunciar a adição de três ondas ópticas de 200Gbps para pesquisa e educação entre os EUA e o Brasil.  Essas três ondas ópticas de 200 Gbps representam o caminho Express do projeto AmLight Express and Protect (AmLight-ExP), um prêmio de 5 anos da National Science Foundation (NSF) à FIU (OAC-1451018) e com o apoio da AURA e da AmLight Consórcio.

O caminho Express é construído sobre o sistema de cabos submarinos de Monet, ligando os EUA ao Brasil, e operado pela Angola Cables. A abordagem escolhida para adicionar essas novas ondas ópticas foi através do uso de espectro óptico, onde a Angola Cables atribuiu um total de 150 GHz no sistema de cabos submarinos de Monet a ser usado pelo AmLight Consortium. O AmLight Consortium usa o espectro de 150 GHz para criar três ondas ópticas de 200 Gbps entre Boca Raton, Fortaleza e São Paulo. Cada onda óptica permite o uso de duas portas de cliente de 100 Gbps. O caminho Express é representado na figura pelos segmentos verdes sólidos, em que cada segmento representa um link de 100 Gbps da onda óptica de 200 Gbps; o caminho Protect é representado pelos outros segmentos da figura que formam um anel na América do Sul.


O AmLight Consortium construiu o caminho Express usando ondas geradas pela CIENA sobre o espectro óptico construído pelo Subcom, uma abordagem nascente que fornecerá ao AmLight Consortium a flexibilidade de atualizar a capacidade da largura de banda à medida que a tecnologia óptica avança. O espectro estará disponível para a comunidade de pesquisa e educação pelo menos até 2032. Isso é importante para o LSST (Large Synoptic Survey Telescope), cuja missão científica se baseará em um serviço de rede robusto que pode fornecer a largura de banda necessária para transportar 12,7 GB imagens dentro de 5 segundos a partir do site LSST Base em La Serena, Chile para o site do arquivo no National Center for Supercomputing Applications (NCSA), em Urbana-Champaign Illinois por cerca de 10 horas todas as noites, 365 noites por ano, durante o período de 10 anos da pesquisa LSST. A partir de 2022, LSST fará cerca de 1000 visitas por noite (e cada visita inclui 2 imagens) a cada noite com sua câmera de 3.200.000.000 pixels, gravando todo o céu visível do Sul duas vezes por semana.

Os caminhos combinados Express e Protect formam uma infraestrutura de rede de alto desempenho resiliente e diversificada, construída para permitir e suportar aplicações de grande ciência, como astronomia e física de alta energia, operada pelo consórcio AmLight. Os integrantes do consórcio AmLight incluem a Universidade Internacional da Flórida (FIU), a rede acadêmica de São Paulo (ANSP), a rede nacional de ensino e pesquisa (RNP), a Red Universitaria nacional (reuna) (Chile rede de pesquisa e educação), a rede regional da América Latina (RedCLARA), a associação de universidades de pesquisa em astronomia (AURA), Florida LambdaRail (FLR), Internet2, Telecom Italia Sparkle e Angola cables.

"A iluminação dessas ondas é o culminamento de uma década de trabalho pela equipe de networking internacional da LSST e por todos os membros do consórcio AmLight. É pioneira em ambas as parcerias público-privadas que a habilitam, bem como a nova abordagem flexível à rede de submarinos. É um momento emocionante para a pesquisa e educação Networking "Prof. chip Cox, co-investigador principal do projeto AmLight-ExP.

"A adição do caminho Express ao AmLight-ExP fornece capacidade de largura de banda sem precedentes para as comunidades de pesquisa e educação nas Américas", disse o Dr. Julio Ibarra, pesquisador principal do projeto AmLight-ExP.


“AURA está imensamente satisfeita ao ver o trabalho árduo dessa colaboração com o consórcio AmLight, valendo esse importante marco. A promessa única da ciência LSST, uma visão em tempo real do céu noturno dinâmico, depende da rede de alta velocidade do Chile para os EUA, e isso completa grande parte dela ”, acrescentou Robert Blum, diretor de operações da LSST.

Segundo Eduardo Grizendi, diretor da Diretoria de Engenharia e Operações da rede acadêmica brasileira RNP, “Além dos benefícios que o Express Path traz para toda a comunidade acadêmica das Américas, deve-se notar que também consolida a parceria bem-sucedida ao redor do AmLight Consortium, construído sobre o sistema de cabos submarinos de Monet. ”

“Estamos muito orgulhosos e entusiasmados por ser um participante ativo neste projeto de pesquisa científica de longo alcance, pois representa o potencial e o valor reais que nossas redes de cabos submarinos podem contribuir para o conhecimento e a compreensão não apenas do mundo em que vivemos, mas os muitos mundos que estão além do nosso sistema solar ”, disse Victor Costa, diretor regional da Angola Cables, Brasil.

A Rede Acadêmica de São Paulo (ANSP) fornece conectividade a mais de cinquenta instituições, responsáveis por mais de quarenta por cento da produção científica brasileira. A implementação do AmLight Consortium da rede AmLight Express é um marco importante para o projeto, sustentado por nossa parceria com a RNP e a FIU há mais de 15 anos.