Efeito colateral

Categoria
- 05/06/2016

Por Joaquim Carlos Fanton

A pequena São José do Divino no Piauí está em festa este mês. E não é só pela chegada do mês de junho. No bojo de um ambicioso projeto do governo federal, concebido para levar serviços de banda larga para o interior, entrou em operação um ponto de acesso público, na praça central da cidade.

O cartaz instalado no local informa: “Agora tem internet GRÁTIS na praça”.

Estive lá e vi com os próprios olhos. Quando o sol se esconde e a temperatura fica mais amena, muitas pessoas se dirigem até o local, celulares na mão, e se conectam à internet.

Rede e equipamentos locais foram implantados com recursos do governo federal. Mas a saída para o mundo exterior ficou a cargo da prefeitura. Por se tratar de cidade muito pequena, que representa pouco retorno para os grandes provedores de banda, o máximo que a prefeitura conseguiu foi alugar uma conexão via rádio, com 16 Mb/s. Ou seja, inferior à banda que dispomos hoje em nossas casas e que achamos lenta demais.

Mas parece que ninguém liga para esse pequeno detalhe em São José do Divino. A gente vê no rosto das pessoas a felicidade. É uma alegria só! De graça, a gente toma até injeção na testa, diz o ditado popular!

A meu ver, a maior vantagem é que a cidade possui hoje uma rede óptica própria, interligando pontos de seu interesse. Secretarias municipais, escolas, creches, centros de assistência social, delegacia de polícia, o hospital e o escritório do programa Bolsa Família estão hoje todos interligados e podem trocar entre si gigantescos volumes de informação.

Mas, ao sair para o mundo, terão que compartilhar uma fatia dos 16 Mb/s disponibilizados para todos.

Mas o mais interessante é que todo sistema que inova também desperta maus humores!

O WiFi da praça, por exemplo, está equipado com antena de alto ganho. Embora o contrato estabeleça um alcance mínimo dentro da praça, o sinal chega com força em endereços que ficam a até 200 metros de distância.

Com isso, comerciantes, moradores vizinhos, o dono da farmácia, o dono do supermercado e o gerente da agência dos Correios ficaram felicíssimos. Todos estão pensando seriamente em “descontratar” os serviços do provedor local e migrar para a rede da prefeitura. Num primeiro momento, pelo menos economicamente, o maior prejudicado é provedor.

Mas acabei encontrando, entre os descontentes, alguém que ninguém poderia imaginar: o pároco da igreja de São José, padroeiro da cidade.

Ninguém se lembrou que seu local de trabalho fica de frente para a antena. Sinal cheio dentro da igreja e bancos confortáveis para se sentar. Pode ter lugar melhor para ficar? O padre ficou danado da vida. Estrilou feio!

Li com esses olhos que a terra há de comer o WhatsApp que ele mandou para o responsável pela rede:

- Francisco, você precisa desligar a internet nos horários de missa. Não quero ter que brigar com você!

Na mesma hora, me ocorreram cenas que observo hoje em restaurantes e rodas de amigos. Dei razão à zanga do padre. Os paroquianos, entretidos com seus smartphones, não estão acompanhando direito as missas, nem prestando atenção nos sermões!

A rigor, essa mensagem nada republicana deveria receber um sonoro NÃO. Afinal, apesar do nome da cidade estar associado a um santo, a prefeitura é laica e certamente deve haver evangélicos e ateus na praça durante os horários de missa. Mas fiquei sabendo que a solicitação está sendo devidamente atendida.

Maquiavel escreveu há sete séculos: não existe atividade mais perigosa e, ao mesmo tempo, mais frustrante do que trabalhar em inovação. O inovador precisa conviver com a indiferença dos futuros beneficiados e enfrentar o ódio daqueles que inevitavelmente se julgarão prejudicados!

 

[[{"fid":"5871","view_mode":"default","fields":{"format":"default","field_file_image_alt_text[und][0][value]":"Joaquim Fanton","field_file_image_title_text[und][0][value]":"Joaquim Fanton"},"type":"media","link_text":null,"attributes":{"alt":"Joaquim Fanton","title":"Joaquim Fanton","height":893,"width":845,"style":"width: 100px; height: 106px; float: right; margin-left: 10px; margin-right: 10px;","class":"media-element file-default"}}]]*Joaquim Fanton é engenheiro eletricista pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), com 38 anos de experiência em redes ópticas. Foi engenheiro de redes da Companhia de Telecomunicações do Paraná (Telepar), da Telecomunicações de São Paulo (Telesp), da Telebrás e do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD). Hoje, atua como consultor da RNP e participa da implantação de redes metropolitanas em fibra óptica, no âmbito do Programa Cidades Digitais. Ao percorrer o interior do país, acumulou histórias que serão compartilhadas no site da RNP.

;