Educação

O programa Soluções Digitais para Educação (SDE) foi criado no final de 2007, para atender às políticas públicas da área, coordenadas pelo Ministério da Educação (MEC) e operadas pelas suas agências, como o Fundo Nacional da Educação (FNDE) e a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), responsável pela qualificação do Sistema Nacional de Pós-Graduação, pela autorização de novos mestrados, acadêmicos e profissionais, e doutorados, e a avaliação dos programas já existentes. 

Portal de Periódicos da Capes

Em 2009, a RNP criou uma ferramenta de busca integrada ao acervo do Portal de Periódicos da Capes, uma biblioteca virtual que reúne conteúdo de alta qualidade, provido por editores e associações científicas internacionais. Disponibiliza a instituições de ensino e pesquisa no Brasil o melhor da produção científica internacional, por meio de um acervo com mais de 38 mil periódicos, 150 mil livros e 27 revistas eletrônicas digitais disponíveis. Também oferece 130 bases referenciais, 12 bases de patentes (invenções certificadas), além de enciclopédias e obras de referência, estatísticas, normas técnicas, bancos de teses e dissertações, e conteúdo audiovisual.

A RNP faz todo o acompanhamento técnico do portal. As consultas podem ser feitas por autor, título, assunto ou palavra-chave, tendo como opção o acesso remoto e os dispositivos móveis. O acesso pode ser feito de forma gratuita pelos pesquisadores das instituições participantes. Atualmente são cerca de 424 instituições de ensino e pesquisa brasileiras cadastradas.

Em 2014, o Portal de Periódicos ganhou uma versão em aplicativo móvel, que permite realizar buscas rápidas por assunto, periódico, base e livro. Também é possível navegar em websites, ler e exportar os artigos em formato PDF, e acessar todo e qualquer tipo de publicação.

Em 2015, o Portal completou 15 anos de existência. Foi criado em 2000, devido ao déficit de acesso das bibliotecas brasileiras à informação científica internacional e os desnivelamentos regionais entre as universidades do sistema superior de ensino federal. Hoje é considerado um modelo de consórcio de bibliotecas único no mundo, é também a iniciativa do gênero com a maior capilaridade por cobrir todo o território nacional. Saiba mais.

Desenvolvimento tecnológico de soluções e serviços de colaboração em nuvem

Outra contribuição importante da RNP para a Educação é o planejamento e a implantação de um piloto de serviços de computação em nuvem e de colaboração para as escolas públicas brasileiras e a sua gestão.

O MEC está investindo na informatização do ensino básico e médio em toda a rede pública através de iniciativas como o Programa Nacional de Tecnologia Educacional (ProInfo). Muitos milhões de reais já foram investidos na criação de laboratórios de informática e o próximo passo é a aquisição de milhares de tablets educacionais para os professores e alunos da rede.  Inicialmente, serão 50 mil escolas beneficiadas pelo programa.

Contudo, apesar desse investimento, a infraestrutura de telecomunicações no Brasil continua sendo uma grande barreira para a permeabilidade do uso da tecnologia educacional de ponta.  Enquanto nos grandes centros urbanos, usuários domésticos de banda larga possuem, comumente, acesso a links de internet de 10 Mb/s, para uso familiar, na rede pública, poucas são as escolas com links de comunicação maiores que 512 Kb/s. Essa capacidade representa 1 Kb/s por usuário em um escola de médio porte, com cerca de 500 alunos e seus professores utilizando, simultaneamente, a banda de internet. Ou seja, é uma situação que inviabiliza o acesso à rede para consumo de conteúdo multimídia, até mesmo para objetos educacionais de baixa complexidade, como aulas em Power Point ou livros de domínio público em PDF.

Para atender à crescente demanda pelo uso de novas tecnologias no ambiente de aprendizagem educacional, a RNP está implantando uma solução que possibilita a professores, pedagogos e alunos da rede pública de ensino o compartilhamento de conteúdo. Ela integra a gestão educacional por meio de serviços de tecnologia de comunicação inovadores (Telepresença e MCONF), com a disseminação de conhecimento em sala de aula para acesso a conteúdo de qualidade (MEDIA CENTER). Pode fomentar, também, o desenvolvimento de novas tecnologias em nuvem, graças à pesquisa e ao desenvolvimento de infraestrutura de ponta inovadora, para facilitar o processo de troca de conhecimentos entre as secretarias de ensino em âmbito nacional.

Com isso, um ótimo professor de história do Acre, por exemplo, poderá compartilhar seu material com um colega de São Paulo, que poderá indicar esse conteúdo para seus alunos. Os alunos de todo o Brasil poderão ter acesso e consumir os melhores conteúdos educacionais disponíveis, nivelando por cima o acesso a materiais de ensino de qualidade já existentes, mas geograficamente restritos às escolas onde se encontram.