Conectividade

A RNP proporciona à comunidade acadêmica do país serviços de conectividade com tecnologia internet. Esses são suportados nacionalmente por uma infraestrutura óptica de alto desempenho, a rede Ipê, que permite desde simples trocas de arquivos até transferências massivas de dados científicos.

Essa rede, planejada e operada pela RNP, pode ser dividida em quatro grandes componentes:

  • Circuitos contratados: os circuitos de dados contratados de operadoras e provedores de telecomunicações, assim como as redes metropolitanas, que interligam as instituições usuárias aos PoPs e aos Pontos de Agregação (PoAs), nós intermediários da rede, que facilitam a operação desta em cidades do interior. Esses circuitos constituem a malha de ramificação regional da rede Ipê a partir dos PoPs;
  • Conexões internacionais: os circuitos de dados internacionais que interligam a rede Ipê a outras infraestruturas acadêmicas no mundo inteiro, através de conexões diretas com a América do Sul, América do Norte e Europa, provendo não só conectividade de qualidade, como também a troca de tráfego com a internet comercial mundial;
  • Pontos de Troca de Tráfego (PTTs): os pontos onde ocorre a troca de tráfego com a internet comercial brasileira, em especial, aqueles pertencentes ao Programa IX.br, do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), assim como a internalização de serviços de cache de conteúdo dentro da própria rede Ipê, graças a parcerias com empresas como Akamai, Facebook e Google, por exemplo.

Esses quatro componentes são dimensionados e crescem de forma harmônica, para garantir o desempenho e a qualidade dos serviços oferecidos, face às demandas crescentes de novas instituições e comunidades de usuários. Para isso, a RNP trabalha na constante expansão e ampliação da capilaridade dessa infraestrutura de comunicação.