Workshop discute projeto para conexão de Fernando de Noronha ao continente

Nesta quinta-feira (14/12), foi realizado em Recife o II Workshop do Projeto de Integração de Fernando de Noronha, que pretende levar energia elétrica e internet banda larga do continente até a ilha, por meio de cabos submarinos. O evento ocorreu no Centro de Desenvolvimento Humano da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf) e teve a presença da secretária de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação, Eline Nascimento, do diretor do Departamento de Ciência, Tecnologia e Inovação do Ministério da Defesa, general Decílio Sales, do diretor de Operações da Chesf, João Henrique Franklin, da secretária de Ciência, Tecnologia e Inovação de Pernambuco, Lucia Melo, e do diretor-geral da RNP, Nelson Simões.

O seminário deu continuidade ao I Workshop, realizado em 4/8. O diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação do Ministério da Defesa, general Decílio Sales, apresentou informações técnicas sobre o projeto, ao mostrar a importância de se levar conectividade à ilha, que tem acesso à internet hoje via satélite, e de oferecer uma fonte de energia alternativa ao diesel. Hoje, Fernando de Noronha consome 5,4 milhões de litros de óleo diesel por ano para a conversão termoelétrica. O volume equivale a 4 milhões de toneladas de gás carbônico (CO2) lançados na atmosfera.

Além da redução do impacto ambiental, o representante da Defesa ressaltou o potencial de Fernando de Noronha para projetos de pesquisa e desenvolvimento. “Essa estrutura de comunicação também pode agregar sensoriamento, para monitoramento ambiental, por exemplo, uma vez que alunos necessitam de dados para fazer suas pesquisas. É algo muito importante para o país e para a Defesa”, disse o general Decílio Sales. Como pontos a serem superados, ele apontou a profundidade do mar do continente até Noronha, superior a 4 km.

A secretária de Ciência, Tecnologia e Inovação de Pernambuco, Lucia Melo, destacou a posição estratégica do arquipélago para o Atlântico Sul, com as novas conexões internacionais, como para a África, e as possibilidades trazidas pela parceria de comunicações com o setor elétrico, iniciada na região Nordeste com a Chesf. “A estrutura de banda larga é o eixo estratégico para a transição digital que já está acontecendo, com potencial de exclusão para quem não acompanhar esse processo”, alertou a secretária.

Já a secretária de Educação Profissional e Tecnológica do MEC, Eline Nascimento, informou que a conexão para Fernando de Noronha beneficiará diretamente os institutos federais em suas três dimensões: educação, pesquisa e extensão. “Melhorar a comunicação para Fernando de Noronha pode levar à criação de um centro de referência de pesquisa na ilha e incentivar projetos que beneficiem toda a comunidade”, declarou Eline.

Os próximos passos para o projeto Fernando de Noronha Integrada são o estudo de viabilidade técnica e o licenciamento ambiental e a elaboração do memorando de entendimento entre os ministérios da Educação, Defesa, e Minas e Energia, com a participação da RNP, do Governo de Pernambuco e da Chesf, entre outros parceiros.