RNP participa do pleito pela recomposição do orçamento de CT&I

Foto: O diretor da RNP, José Luiz Ribeiro Filho, e o presidente da SBPC, Ildeu de Castro.

A RNP participou hoje, dia 12/7, da 2ª Marcha para a Ciência, na Câmara dos Deputados, junto a organizações como SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), ABC (Academia Brasileira de Ciências), Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), Andifes (Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior no Brasil), Consecti (Conselho Nacional de Secretários para Assuntos de Ciência Tecnologia e Inovação) e Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz). Em pauta, estava a necessidade de recompor os recursos destinados à Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil.

Para o presidente da SBPC, Ildeu de Castro, “o Marco Legal de Ciência, Tecnologia e Inovação foi um avanço, mas tem que ser consolidado”.  Ele destacou que a SBPC entregará aos presidenciáveis uma carta que pede a revogação da Emenda Constitucional 95, conhecida como a Lei do Teto, pois “num país imensamente desigual como o Brasil, é inadmissível o congelamento de gastos em políticas públicas de alcance e impacto social, como as relacionadas à Educação Básica”.

Na visão do presidente da Academia Brasileira de Ciências (ABC), Luiz Davidovich, “o governo só quer cortar gastos mas não aposta em investimento”. Ele destacou o cenário atual de fuga de cérebros, ou seja, a ida de pesquisadores de alto nível para outros países, como um crime de lesa-pátria “que desmonta a ciência, a indústria e o futuro do país”.

A presidente do Consecti, Francilene Garcia, destacou em seu discurso a importância do setor para a sociedade. “CT&I é o único e principal ativo que pertence à sociedade brasileira, junto à educação, que pode alargar nossas fronteiras”, disse.

Já o diretor de Serviços e Soluções da RNP, José Luiz Ribeiro Filho, ressaltou o papel da organização, garantindo a economicidade dos recursos públicos em oferecer serviços para a comunidade acadêmica. "Os investimentos realizados pelo Brasil nessa infraestrutura (RNP) ao longo de 26 anos representam uma conquista e um patrimônio de valor incalculável para a comunidade científica brasileira, que se beneficia do estado da arte em tecnologia de informação e comunicação para ensino, desenvolvimento e pesquisa de classe mundial”.

Acesse o discurso da RNP na íntegra.

“A interrupção ou mesmo redução dos investimentos mínimos que já vêm sendo realizados desde a crise de 2016 do sistema de suporte à pesquisa científica do Brasil representarão um grande retrocesso para os resultados e as inúmeras pesquisas em andamento no país, bem como para o desenvolvimento do empreendedorismo inovador, comprometendo, no médio e longo prazos, o crescimento econômico do país e a nossa participação na economia global”, concluiu o diretor da RNP.