RNP obtém registro de programa de combate a ataques cibernéticos

O Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) concedeu mais um registro de programa de computador para a RNP, desta vez para uma plataforma capaz de identificar tipos de ataques de negação de serviço distribuído (DDoS) e de mitigá-los em tempo real, evitando assim que sites institucionais e governamentais fiquem indisponíveis para o acesso. Chamada de SeVen, a ferramenta foi desenvolvida pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) com o apoio da RNP.

Ataques de negação de serviço (DoS) geralmente ocorrem quando a rede ou a aplicação alvo são sobrecarregados por um volume de tráfego acima do normal, provocado intencionalmente para prejudicar a disponibilidade de um serviço (daí a sigla DDoS, do inglês Distributed Denial of Service). Na rede acadêmica, que conecta universidades e institutos de pesquisa no país, esses tipos de ataques chegam a representar 84% do total de incidentes registrados.

A fim de proteger instituições desse risco, pesquisadores do Laboratório de Redes da UFPB desenvolveram o SeVen, que propõe um mecanismo de defesa contra ataques DDoS. O projeto foi selecionado pela RNP em 2015 em seu Programa de Grupos de Trabalho e atualmente está em fase de experimental, podendo futuramente fazer parte do portfólio de serviços de segurança da rede acadêmica. “Em especial, o SeVen pode proteger desses ataques os serviços que usam tecnologia VoIP, como o fone@RNP”, afirma o coordenador do projeto na RNP, Fausto Vetter.

O SeVen é o 44º programa de computador registrado pela RNP no INPI. Assim, a organização contabiliza 26 marcas, uma topografia de circuito integrado e três pedidos de patente.

Foto: O coordenador do projeto na UFPB, Iguatemi Fonseca, no WRNP 2016, em Salvador (BA).

Leia mais:

Pesquisadores da UFPB desenvolvem ferramenta de defesa contra ataques DDoS

Registro de três novas marcas: cuidado da RNP na proteção de seus ativos