RNP e Unicamp protegem a tecnologia STB-Scan no INPI

Este ano, a RNP e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) se tornaram titulares de um programa de computador e um pedido de patente do STB-Scan, tecnologia capaz de medir a qualidade do sinal digital e as estatísticas de audiência da TV aberta. Com a mudança do sinal analógico para o digital, o STB-Scan pode auxiliar os projetos e instalações de redes de TV com precisão.

A iniciativa foi idealizada para auxiliar no monitoramento remoto de sinais de TV digital e, assim, promover ajustes na transmissão. ‘‘Atualmente, a medição do sinal ainda é realizada por meio de estações móveis. Com a chegada da STB-Scan, a medição da qualidade dos sinais será a partir de equipamentos nacionais com custo reduzido’’, afirmou o analista de Negócios da RNP, Henrique Ferraz.

O sistema é capaz de emitir diagnóstico de instalação de TV nos lares brasileiros, além de gerar estatísticas de audiência atuando, ainda, como um canal de comunicação com a emissora. Com a verificação do nível de sinal de TV Digital, o monitoramento é capaz de identificar possíveis interferências de estações ilegais, além de verificar a qualidade de antenas em tempo real.

“O produto resultante dessa tecnologia está sendo desenvolvido pela empresa Kasco P&D, parceria da RNP e da Unicamp nesse projeto. O equipamento deve ser lançado no Brasil ainda este ano’’, destacou Ferraz.

Como resultado dessa parceria, a RNP e a Unicamp estabeleceram o contrato de licenciamento da STB-Scan com a Kasco P&D, que será responsável pela comercialização da tecnologia no mercado.

Desenvolvimento da ferramenta

A ideia de criar essa ferramenta teve início em um projeto aprovado no primeiro ciclo de financiamentos do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Tecnologias Digitais para Informação e Comunicação (CTIC/RNP), em 2009. O projeto foi coordenado pela Unicamp, durou 18 meses e custou R$ 1 milhão.

A tecnologia teve como finalidade atender a órgãos fiscalizadores, fabricantes de receptores, radiodifusores e telespectadores. Diversas empresas se mostraram interessadas no protótipo do STB-Scan e, para Ferraz, as possíveis adesões provam a importância do produto. Com essa ferramenta, a RNP já soma no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) o registro de 50 programas de computador, 27 marcas e um de topografia de circuito integrado, além de quatro contratos de licenciamento de tecnologia e três pedidos de patente.