Rede acadêmica de Moçambique já possui serviço de roaming do eduroam

Melhorar o atendimento às instituições de ensino e pesquisa. Foi com esse objetivo que a Rede de Educação e Pesquisa de Moçambique, a MoRENet, montou uma estrutura nacional para o eduroam, serviço desenvolvido para a comunidade internacional de educação e pesquisa que oferece acesso sem fio à internet, sem a necessidade de múltiplos logins e senhas. Com isso, membros da MoRENet e, posteriormente, das instituições que fazem parte dessa rede poderão ter acesso à rede Wi-Fi local e de mais de 80 países no mundo, usando o mesmo login e senha das suas respectivas instituições.

“A configuração do eduroam é bastante simples. Basta acessar uma rede Wi-Fi de mesmo nome a partir do seu computador, laptop, celular ou tablet”, informou o especialista em Serviços da RNP que atuou no projeto, Marcelino Cunha. 

Para implementar o serviço em Moçambique, a MoRENet contou com o apoio da RNP no planejamento, treinamento, reuniões semanais de acompanhamento e atividades técnicas conjuntas, remotas e presenciais. O analista de Sistemas da rede moçambicana, Lino Jorge Khalau, que esteve à frente da implementação do serviço, veio ao escritório da organização em Brasília, no fim de 2016, para reuniões técnicas. “A RNP alocou para este projeto profissionais especializados, que nos ajudaram muito em todas as etapas. E a oportunidade de estar no Brasil foi fundamental para consolidar o aprendizado sobre a implementação de um serviço totalmente novo para Moçambique. A finalização desse processo foi um grande orgulho, pois ocupamos a posição 85 no mapa mundial do eduroam”, destacou Khalau.

Um dos responsáveis pelo suporte técnico à Morenet foi o analista de Operações da RNP, Luciano Rocha. “Ajudar a implementar o eduroam em Moçambique foi uma experiência desafiadora e ao mesmo tempo gratificante”, afirmou. Para o gerente de Serviços da RNP, Jean Carlo Faustino, que coordenou o projeto de colaboração com a rede de Moçambique, “a entrada da MoRENet no eduroam internacional representa a ampliação dos benefícios do serviço, um alinhamento de Moçambique como uma das principais tendências internacionais de autenticação simplificada a serviços, além de favorecer e facilitar a implementação de novos serviços, como o FileSender e o MConf”.

Os resultados dessa cooperação entre Brasil e Moçambique também ajudarão nos indicadores do pacote de trabalho (WP) 2 do projeto Magic (Middleware para Aplicativos Colaborativos e Comunidades Globais Virtuais), que trata sobre a difusão de federações de identidade e do eduroam para outras regiões do mundo, cuja entrega está sendo coordenada também pela RNP.

RNP e MoRENet: parceira de longa data

A RNP e a MoRENet já desenvolvem atividades de cooperação técnica desde 2013. Nesse período, representantes da MoRENet fizeram algumas visitas à RNP, a fim de obter informações para a institucionalização da rede moçambicana, estabelecer possíveis atividades de colaboração e participar de capacitações. Em novembro de 2015, por exemplo, Lino Jorge Khalau participou do curso de Infraestrutura Ágil, realizado no Seminário de Capacitação e Inovação da RNP (SCI).

Outro destaque da parceria foi a ativação do polo de capacitação da Escola Superior de Redes (ESR) da RNP na cidade de Maputo, em Moçambique, em junho de 2015. Esse foi o primeiro polo fora do Brasil e tem como objetivo levar o conhecimento de especialistas da rede acadêmica brasileira para o continente africano.

A MoRENet foi criada em 2005 e é uma das redes acadêmicas conectadas à UbuntuNet Alliance, uma associação regional de NRENs da África que visa levar conectividade em alta velocidade e a preços acessíveis à região.