Presidente da Ancine apresenta publicamente sistema desenvolvido em parceria com a RNP

Uma parceria de valor. No dia 11/5, o presidente da Ancine, Manoel Rangel, apresentou ao público o Sistema de Monitoramento da Programação do Serviço de Acesso Condicionado (MP-SeAC), ou seja, para as TVs por Assinatura, e os Indicadores de Financiamento a Conteúdos para TV, em um evento realizado no Rio de Janeiro. Rangel abriu o encontro agradecendo a presença do diretor-geral da RNP, Nelson Simões, pela parceria estratégica no desenvolvimento do sistema, responsável pela captura, monitoramento, indexação e armazenamento, para recuperação futura, de todos os canais de TV por assinatura.

“A RNP agregou uma rede de pesquisadores espalhados por todo o país, a sua capacidade de infraestrutura de rede, de desenvolvimento de projetos de pesquisa complexos e sua capacidade executiva na estruturação desse serviço de recolhimento e armazenamento das obras veiculadas e, sobretudo, no processo de indexação dessas obras, que é o que efetivamente permite trabalhar, acompanhar e fazer as identificações de que necessitamos”, destacou Rangel. O conteúdo fica armazenado na Cinemateca Brasileira, em São Paulo, com uma redundância no Internet Data Center da RNP, em Brasília.

Nosso diretor-geral participou do evento, falou um pouco sobre a atuação da RNP na área da Cultura e destacou o entusiasmo da RNP em seguir com essa parceria, iniciada em dezembro de 2012. “Ao pensar sobre o que vem pela frente, a gente fica até entusiasmado de continuar nessa relação de parceria, que eu espero que continue e se desenvolva, para que nós possamos olhar para o futuro e os desafios que são colocados para nós. Desejo muito sucesso à agência e aos produtores que estão produzindo conteúdo da cultura brasileira que é tão importante para nós”, ressaltou Simões.

O encontro também foi a oportunidade de apresentar na prática, pela primeira vez, publicamente, o MP-SeAC. A plataforma foi implementada em julho de 2014 e, desde então, a cooperação entre a RNP e a Ancine vem concentrando esforços no seu aprimoramento, com o desenvolvimento de melhorias e novas ferramentas, como resultados de P&D aplicados, que permitem aumentar sua abrangência, eficiência e confiabilidade. Entre as ferramentas desenvolvidas, estão o Reconhecimento Automático de Vídeos (VS), ferramenta permite a localização automática de vídeos dentro de um repositório a partir de uma amostra desses vídeos; o Registro Digital de Obras (RDO), permite o registro das obras audiovisuais na Ancine de maneira automatizada; e a Plataforma para Captura do Sinal da TV Aberta (TV2IPE), plataforma semelhante ao MP-SeAC, porém, para a TV aberta.

Benefícios que vão além

O sistema reúne o registro de empresas, de obras audiovisuais, cadastro de canais de programação e a fiscalização da obrigação de veiculação de conteúdos brasileiros, feita por meio de relatórios enviados por 106 canais de TV paga e pela gravação de toda a programação de cada um deles. Esses dados permitem à Ancine obter informações necessárias para sua atuação institucional, que inclui o cumprimento do artigo 16 da Lei nº 12.485/2011, que estabelece um período mínimo de 3 horas e 30 minutos semanais de programação inédita produzida no Brasil pelos canais de TV paga, além da avaliação periódica da efetividade das estratégias promovidas por meio do Fundo Setorial do Audiovisual.

“A Lei 12.485 viabilizou o incremento da produção independente brasileira, viabilizou a chegada dessa produção na TV paga, na TV aberta, ampliou a capacidade de investimentos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), da Agência Nacional do Cinema, no desenvolvimento do setor, melhorou um conjunto de práticas das programadoras, das TVs abertas, dos nossos produtores, e é o que permite o bom momento que o setor audiovisual brasileiro está vivendo”, ressaltou o presidente da Ancine.

Além disso, essa tecnologia permite a criação de diversos relatórios e estudos sobre o mercado audiovisual do país. A Ancine vai divulgar, na próxima semana, indicadores de financiamento a conteúdos para TV. Isso é possível a partir do cruzamento de dados oferecidos por esse e outros sistemas. 

Assista aqui o depoimento do presidente da Ancine sobre a parceria com a RNP. A cobertura completa do evento está disponível na página da Ancine no Facebook.

Crédito das imagens: Alysson Antunes