Parcerias internacionais beneficiaram 11 projetos em 2017

Entre os grandes destaques da RNP em 2017 está a seleção de 11 projetos para as duas chamadas conjuntas com parceiros internacionais. A mais tradicional é a Chamada Coordenada Brasil-União Europeia em Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), que faz parte do Acordo Brasil-União Europeia de Cooperação Científica e Tecnológica, firmado em 2004. Em sua quarta edição, lançada em 2017, foram selecionados seis projetos. A outra parceria é entre a RNP e a National Science Foundation (NSF) dos Estados Unidos, cujo edital incluiu a escolha de cinco iniciativas ligadas à temática ‘Segurança Cibernética’.

“Os novos projetos darão proporções ainda maiores às cooperações internacionais em P&D no Brasil. Apenas os cinco projetos da 3ª chamada já custeavam 258 pesquisadores brasileiros. Com os 11 novos projetos, estimamos envolver mais de 600 pesquisadores brasileiros com bolsas. Sem contar o impacto no setor produtivo, uma vez que agora teremos 37 participações de empresas privadas de diferentes tamanhos e áreas de atuação. Vale ressaltar que esses projetos só foram possíveis pelos recursos da Lei de Informática, a qual vem sendo reformulada. Por esta razão, esperamos atentos aos próximos anúncios do governo federal, analisou o coordenador de Projetos da RNP e responsável pelas chamadas, Wanderson Paim (foto 2).

Nos últimos anos, Brasil e União Europeia vêm estreitando os laços de cooperação em ciência e tecnologia, por meio do lançamento conjunto de chamadas para projetos avançados de pesquisa e desenvolvimento em TIC. Até agora, foram lançadas quatro chamadas (2010, 2012, 2015 e 2017), que receberam 192 propostas de trabalho. Desse total, foram selecionados 20 projetos.

O objetivo dessas chamadas é promover soluções em áreas estratégicas de TIC, por meio de consórcios entre instituições científicas e tecnológicas e empresas brasileiras e europeias. A gestão dos projetos selecionados é realizada em conjunto pela Comissão Europeia e RNP, com apoio e supervisão do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

As chamadas coordenadas integram o Horizon2020, considerado o maior programa de pesquisa e inovação da União Europeia (UE), que está em fase de reformulação. De acordo com o Project Officer na Comissão Europeia (em inglês, EC), responsável pelas Chamadas Coordenadas com o Brasil, Jorge Pereira (foto 3), existe o interesse da EC em manter as parcerias com o Brasil. “As chamadas conjuntas com o Brasil estão planejadas e o que falta decidir são as potenciais novas áreas de cooperação. Portanto, há um interesse contínuo e crescente na cooperação com o Brasil, exatamente porque os resultados obtidos são extremamente interessantes”, ressaltou.

Quando questionado sobre a importância de ter o Brasil como parceiro na cooperação, Pereira afirma que ambos os lados precisam resolver questões semelhantes e que a diversidade existente no país abre uma oportunidade de pensar em soluções em contexto diferentes – Brasil e UE – mas que sejam complementares. “A razão desta cooperação é exatamente esse valor acrescentado, que é para o Brasil ter acesso ao mercado europeu, que é relativamente grande, e para a Europa ter acesso ao mercado brasileiro e, a partir do Brasil, ter acesso aos demais países da América Latina”, analisou.

O diretor de ecossistemas Digitais da Secretaria de Política de Informática (Sepin) do MCTIC, Otavio Caixeta (foto 4), acompanha de perto essa parceria e afirma ter boas expectativas sobre a continuidade das ações. “As expectativas para os resultados das chamadas são grandes e vêm em dois níveis: o primeiro é em ter pesquisadores mais capacitados por estarem trabalhando com o que há de mais sofisticado em desenvolvimento tecnológico e ciência internacional. Além disso, essa colaboração entre diferentes realidades é o que cria a possibilidade de inovação. Em outro nível, temos a expectativa de resultados concretos, pois temos ideias fantásticas, que podem ser aproveitadas em melhorias para as políticas públicas e para a sociedade. E esses projetos só são possíveis de se concretizar por meio dessa parceria”, destacou Caixeta.

Brasil e Estados Unidos em prol da segurança cibernética

A preocupação com a segurança cibernética tornou-se um fator de aproximação entre Brasil e Estados Unidos. Assim, em 2017, foram selecionados os projetos da primeira Chamada Conjunta RNP-NSF para Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento em Segurança Cibernética. O objetivo da chamada é estreitar a colaboração entre instituições científicas e tecnológicas e empresas brasileiras e americanas sobre o tema, abrindo espaço para o intercâmbio de pesquisadores entre as instituições, a troca de dados e informações particulares de cada área de atuação dos parceiros, a criação de equipes com qualidades e capacidades complementares, bem como o avanço da produção científica.

Os temas Segurança e Privacidade em Redes; Internet das Coisas, Sistemas Ciber-Humanos e Ciber-Físicos; e Detecção de Malware foram priorizados após discussões que envolveram pesquisadores brasileiros e americanos especialistas na área. A necessidade de trabalhá-los está relacionada ao aumento de ameaças em um mundo cada vez mais conectado, no qual se vê frequente a incidência de temas como cibersegurança, criptografia, defesa cibernética e cibercrime.

“Os projetos selecionados envolvem equipes de pesquisa muito experientes, tanto brasileiros quanto americanos. Eles propõem desde soluções para ambientes residenciais, como o melhoramento dos níveis de segurança e privacidade em dispositivos inteligentes, como TVs e receptores de TV a cabo, até o aprimoramento de sistemas de autenticação, utilizando dados biométricos. Esperamos que a relação entre os pesquisadores e os resultados científicos gerados sirvam de incentivo para o lançamento de novas oportunidades”, finalizou Wanderson Paim.

Conheças os projetos selecionados por chamada conjunta

4ª Chamada Coordenada Brasil-União Europeia em TIC

Chamada Conjunta RNP-NSF para Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento em Segurança Cibernética