INCT e-Universo oferece bolsas para pesquisadores brasileiros

Inaugurado formalmente em maio deste ano, o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia do e-Universo (INCT) é um braço do Laboratório Interinstitucional de Astronomia (LIneA) e iniciou suas atividades a todo vapor. O Comitê Gestor do Instituto implementou doze bolsas em sua primeira chamada, confirmando a missão de apoiar a participação de pesquisadores brasileiros em grandes projetos internacionais. Apoiadora do LIneA, a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) também tem sido fundamental no desenvolvimento das atividades do INCT e-Universo.

As bolsas foram concedidas com objetivo de dar suporte a grandes levantamentos científicos como o Sloan Digital Sky Survey (SDSS), o Dark Energy Survey (DES), o Dark Energy Spectroscopic Instrument (DESI) e o Large Synoptic Survey Telescope (LSST). A distribuição foi realizada mediante avaliação de candidatos nas áreas científica e tecnológica, seguindo os critérios das comissões de seleção que foram criadas.

Coordenador do INCT e-Universo, Luiz Nicolaci da Costa, contou como foram alocadas as bolsas dentro da estrutura de trabalho. “Das 12 bolsas distribuídas, quatro foram para a área científica, sete para o fortalecimento da equipe de tecnologistas e uma para a área de comunicação, para ajudar na divulgação do trabalho que vem sendo realizado pelo INCT e o LIneA”.

Para Nicolaci, o apoio da RNP é preponderante para que o INCT e-Universo realize suas atividades, principalmente na troca de informações com os diversos parceiros espalhados pelo mundo. “A RNP teve um importante papel na criação do laboratório que viabilizou o INCT. Do ponto de vista prático, ela contribui para melhorar a transmissão de dados com os nossos diversos parceiros, o que é uma contribuição fundamental.  A RNP também foi primordial para a assinatura do acordo com o LSST, que permite a participação de 50 pesquisadores neste projeto”, ressaltou.

Para este semestre, estão previstos passos importantes dentro dos projetos nos quais o INCT e-Universo atua. No Sloan Digital Sky Survey (SDSS), será liberado ao público um novo lote de dados (DR14) e haverá um trabalho de monitoramento e manutenção do sistema de aquisição de dados do espectrógrafo infravermelho, montado no telescópio de 2.5 metros no Observatório de Las Campanas, no Chile. Já no Dark Energy Survey (DES), ocorrerá a entrega do LIneA Science Portal para uso da equipe brasileira, que analisará os dados acumulados durante os três primeiros anos do levantamento e serão apresentados os primeiros resultados cosmológicos. Em agosto, será iniciado o quinto e último ano de observações do projeto.

O Dark Energy Spectroscopic Instrument (DESI) irá colaborar na revisão do sistema Quick Look Framework (QLF), que vem sendo desenvolvido pelo LIneA, com o suporte dos pós-doutores apoiados pelo INCT, para avaliar a qualidade dos 15 mil espectros e dos cinco mil objetos que serão observados cada 20 minutos. Também acontecerá neste semestre a primeira reunião geral do Brazilian Participation Group (BPG) que faz parte do projeto Large Synoptic Survey Telescope (LSST) e conta com o apoio do INCT e–Universo. Nela, haverá a discussão sobre uma possível contribuição brasileira na construção da operação.

Por fim, ocorrerá a instalação no LIneA do novo cluster ICE X da SGI, recentemente adquirido com fundos no INCT e o supercomputador Santos Dumont será usado para avaliar sua integração ao portal científico, podendo, desta forma, reduzir o tempo de processamento para certos processos críticos na análise.

Crédito da foto: Ricardo Ogando.

Leia mais:

Cientistas brasileiros vão participar de projeto internacional de Astronomia

Taxa de transferência em colaboração científica entre Brasil e EUA chega a 2.2 Gb/s