Dados de 23 bacias sedimentares terrestres são disponibilizados gratuitamente

- 27/05/2021

Recentemente, o Serviço Geológico Brasileiro (SGB/CPRM) e a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) lançaram em parceria um site para disponibilizar, gratuitamente, dados técnicos, públicos e digitais de 23 bacias sedimentares terrestres no Brasil. Até então, essas informações eram pagas. Agora, qualquer interessado pode fazer download dos dados na plataforma online Reate, que visa promover a ampliação do conhecimento geológico sobre essas bacias, fomentar investimentos e dar visibilidade para informações que subsidiem melhor tomada de decisões de gestores públicos e empresas privadas. 

São 23 pacotes de dados, que reúnem informações referentes a 22.641 poços, 329 levantamentos sísmicos 2D, 204 levantamentos sísmicos 3D, 217 levantamentos não-sísmicos, 38 levantamentos geoquímicos e 17 estudos existentes no acervo de dados técnicos do Banco de Dados de Exploração e Produção da ANP (BDEP). O volume de informações totaliza cerca de 2,5 terabytes. Isso, por enquanto. Já que o site será atualizado sempre que um novo dado for tornado público.

Constituem pacotes de dados digitais referentes a poços, levantamentos sísmicos e não sísmicos e dados geoquímicos no âmbito de incrementar o conhecimento geológico sobre as bacias terrestres e fomentar os investimentos em exploração e produção de petróleo e gás natural nas áreas já sob concessão e a serem oferecidas em futuras rodadas de licitações

O conjunto de dados, considerado o maior projeto de disponibilização de dados do BDEP, está embarcado em um super servidor da CPRM alocado no Internet Data Center (IDC) da RNP, em Brasília, onde conta com uma infraestrutura de TI robusta e de alto nível. Além disso, as universidades e centros de pesquisa ainda têm acesso de alta velocidade ao material, pela Rede Ipê. “A hospedagem da solução foi disponibilizada no ambiente operacional moderno de hiper convergência implantado no datacenter da RNP. Unindo esse fator a grande capacidade de vazão de dados que essa instituição possui, acreditamos que entregaremos uma solução que forneça uma boa experiência para o usuário e atenda aos objetivos do programa Reate. Além disso, segue-se um rigoroso critério de segurança cibernética, fundamental com a elevação dos acessos remotos. O ambiente deste importante projeto fornece uma capacidade de redundância que pode ser escalado à medida que for percebido a necessidade de crescimento. Isso nos garante grande flexibilidade para atender novas e futuras demandas fruto de parcerias com estas entre o SGB/CPRM, RNP e ANP”, argumenta o Diretor de Infraestrutura Geocientífica do SGB/CPRM, Paulo Afonso Romano.

Paulo Romano

A disponibilização dos dados sobre as 23 bacias brasileiras é um dos resultados de uma série de ações de modernização vividas nos últimos anos pelo SGB/CPRM, principalmente na área de Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC). Com orgulho, o Diretor de Infraestrutura Geocientífica da instituição conta como tem sido esse processo de transformação digital acelerado pela pandemia do novo coronavírus. “Em 2020, essa evolução foi levada a outro patamar. A forte necessidade de trabalhar remotamente mostrou que os investimentos em infraestrutura tecnológica foram muito assertivos. Com destaque para a conectividade onde a parceria com a RNP foi fundamental em trazer ganhos significativos de performance digital. Em outras palavras, foi possível dar continuidade às operações ao mesmo tempo em que se protegia servidores e empregados, além da própria população. Por meio dessa atualização de infraestrutura de TIC e parcerias como esta, foi construído um cotidiano mais eficiente, com a possibilidade de uma melhora na prestação de serviços para a sociedade como um todo”, conclui Romano.

Quer saber mais sobre essa parceria? Continue lendo: CPRM e RNP: conhecimento geocientífico e tecnologia em prol da sociedade

;