Acordo entre RNP e Chesf levará melhor infraestrutura de telecomunicações para o Nordeste

Nesta segunda-feira, 19/9, a RNP firmou um acordo de cooperação técnica com a Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), para o compartilhamento de infraestrutura óptica em toda região Nordeste, tendo como suporte as linhas de transmissão da companhia. A parceria permitirá acelerar a oferta de infraestrutura de alto desempenho para educação e pesquisa e beneficiar o acesso à internet de alta velocidade da comunidade acadêmica, incluindo centros de pesquisa, faculdades, institutos superiores, hospitais de ensino e centros de educação tecnológica.

Participaram da cerimônia, realizada na sede da Chesf, em Recife (PE), o ministro da Educação, Mendonça Filho, o presidente da Chesf, José Carlos de Miranda Farias, o diretor-geral da RNP, Nelson Simões, o secretário de energia elétrica do Ministério de Minas e Energia (MME), Fábio Lopes Alves, e o secretário executivo adjunto de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Alfonso Orlandi Neto.

Para a RNP, o convênio com a Chesf beneficiará diretamente 39 campi de instituições federais atendidas pela rede acadêmica, em nove estados da região coberta pela infraestrutura de fibras ópticas da Chesf. “Esse é um meio para alcançar alunos, professores e pesquisadores que trabalham diretamente com aplicações de colaboração a distância, como o supercomputador em Petrópolis (RJ), por exemplo. Vamos construir uma infraestrutura de classe mundial, que será o principal elemento de geração de conhecimento no país e no interior desses estados”, declarou o diretor-geral da RNP, Nelson Simões.

Já a Chesf beneficia-se com o avanço na sua infraestrutura de telecomunicações, garantindo maior confiabilidade para atendimento à operação e à manutenção do seu sistema elétrico, que é formado por uma malha de linhas de transmissão que chega a 20 mil km. O presidente da Chesf, Miranda de Farias, afirmou que essa infraestrutura de fibras ópticas de longa distância pode atingir grande capilaridade. “Mais do que oferecer energia elétrica, queremos contribuir para conectar pessoas a esse desenvolvimento econômico e social”, disse o executivo.

O ministro da Educação, Mendonça Filho, ressaltou o caráter de desenvolvimento regional trazido pelo acordo e a importância da rede acadêmica para o país. “Essa infraestrutura de fibra óptica viabilizada pela Chesf é instrumental para difusão e propagação de conhecimento em instituições de ensino e pesquisa do interior, para que elas possam ter o mesmo nivelamento do que as das capitais”, declarou o ministro.

Com o acordo, serão beneficiados alunos, professores, pesquisadores e servidores administrativos alocados na rede federal de ensino e pesquisa do Nordeste. Esses usuários poderão desfrutar não apenas de infraestrutura de internet de alta capacidade, como também de todos os serviços oferecidos pela RNP à comunidade acadêmica.

Com duração de 20 anos, o acordo prevê investimentos das partes. A RNP direcionará recursos nos próximos quatro anos para o desenvolvimento da nova geração da rede Ipê, uma infraestrutura de rede dedicada à comunidade brasileira de ensino superior e pesquisa, gerenciada pela organização. Serão cerca de R$ 42 milhões investidos, ampliando a infraestrutura cedida sem ônus pela Chesf, e evitando custos anuais da ordem de R$ 24 milhões.

A longo prazo, o convênio também apoiará as iniciativas dos estados no Nordeste de interiorização de redes para conectar universidades e institutos estaduais, estabelecidos no âmbito do Programa Veredas Novas, iniciativa do MCTIC e do Conselho dos Secretários de Estado para Assuntos de Ciência, Tecnologia e Inovação (Consecti).

Foto: O ministro da Educação, Mendonça Filho, o secretário executivo adjunto de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Alfonso Orlandi Neto, e o diretor-geral da RNP, Nelson Simões.